ONU se preocupa com precariedade de embarcações dos rohingyas



Mais de 30 botes improvisados chegaram a Bangladesh na segunda semana de novembro, trazendo, em condições precárias, cerca de mil indivíduos. A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) expressou preocupação com o número cada vez maior de pessoas que se arriscam para fugir de Mianmar, país vizinho e ponto de partida de milhares de rohingyas, um grupo étnico e religioso ameaçado por perseguições.

 

“Sabe-se que mais de 200 refugiados rohingya se afogaram em naufrágios e incidentes em barcos desde o início da crise, em 25 de agosto”, afirmou o porta-voz do ACNUR, William Spindler. “Os recém-chegados nos disseram que haviam esperado durante mais de um mês na costa de Mianmar, sob condições desesperadoras, (eles) dizem que a comida e a água estão acabando.”

 

Sem recursos para custear um transporte seguro e cruzar o rio Naf, que faz fronteira com Bangladesh, os refugiados constroem balsas com qualquer material que podem encontrar, como varas de bambu e galões de água amarrados com cordas e cobertos com lonas de plástico, explicou o representante do organismo internacional.

 

Cerca de 620 mil refugiados rohingya foram forçados a deixar Mianmar desde 25 de agosto.

 

“Existe uma necessidade urgente de mais terreno e mais espaço para alojamento e infraestrutura, a fim de proporcionar serviços e ajuda de primeira necessidade, incluindo pontos de fornecimento de água, vasos sanitários, áreas para banho, espaços para as crianças, locais seguros para mulheres e meninas, centros comunitários”, completou Spindler.

 

A superlotação e as difíceis condições de vida nos acampamentos e lugares improvisados aumentaram riscos associados a problemas de saneamento, bem como agravam as chances de incêndios. Outras ameaças identificadas pelo ACNUR nos campos são o recrudescimento da violência e do tráfico.

 

O organismo internacional já entregou centenas de milhares de itens de ajuda, como tendas, lonas, mantas, colchonetes, mosquiteiros, jogos de cozinha, baldes e galões de água.

 

Em depoimento ao ACNUR, em Cox’s Bazar, Bangladesh, cerca de 70 famílias informaram à agência que deixaram Mianmar devido a práticas de extorsão e de assédio no estado de Rakhine.

 

Um homem contou que homens uniformizados ameaçaram tomar seus pertences. “Meu tio e meu avô se recusaram a dar seus pertences, fazendo com que fossem presos”, afirmou. “Minha família e eu deixamos o país para não acabar na cadeia.”

 

A família caminhou por uma zona montanhosa para chegar à ilha Dong Khali Chor. De lá, continuaram a viagem para Bangladesh. Durante o trajeto, foram detidos numa zona de controle militar. “Levaram tudo. Fomos apenas com a roupa do corpo”, acrescentou o rohingya.

 

Sidiq Ahmad, outro refugiado, disse que ele e sua família de sete pessoas ficaram abandonados em Dong Khali Chor por mais de 30 dias, incapazes de pagar a tarifa do bote para Bangladesh. Conforme a demanda por embarcações aumenta, os responsáveis pelas embarcações elevam os preços, que chegam até 10 mil tacas (moeda de Bangladesh) por pessoa, o que equivale a cerca de 120 dólares.

 

Sem ter o que comer ou beber, Sidiq e outros sete homens decidiram construir um bote. “Decidimos sair à noite porque a maré estava alta e, assim, poderíamos chegar a Bangladesh mais rápido, evitando o sol do dia”, explicou Sidiq.

 

O refugiado conseguiu aportar com sua esposa e seus cinco filhos na costa do país vizinho. O barco precário levou 34 pessoas — mais da metade era de crianças. Remando com placas atadas às varas de bambu, o grupo levou quatro horas para cruzar o rio de três quilômetros até chegar a Bangladesh. Todos entraram em colapso na costa, devido à fadiga e à fome, e foram encontrados dormindo na praia.

 

O ACNUR está recebendo doações para ajudar aos refugiados rohingya pelo link: https://goo.gl/GyvGah.

Fonte: ONU




Muiltimídia
Vídeo Hino de Madre Assunta CN Notícias: Em Brasília, congregação prepara beatificação de Madre AssuntaConvite para participação na Beatificação de Madre Assunta Encontro Formação Permanente Irmãs Missionárias Scalabrinianas 2015


  HOME

Nossa História

Congregação
Missão
Fundadores
Onde Estamos
Província

Formação

Pastoral Vocacional
Aspirantado
Postulando
Noviciado
Juniorato
Formação Permanente
Sócio-Pastoral

Ação Social
Migração

Educação

Rede de Educação Scalabriniana Integrada
Proposta Pedagógica
Unidades Escolares
Educação Cristã
CESPROM

CESPROM São Paulo
CESPROM Cambucí
CESPROM Vicente Carvalho
CESPROM Jundiaí

Saúde

Pastoral da Saúde
Hospital São José
Santa Casa de Misericórdia
Comunicação

Artigos Downloads
Boletim Partilhar é Viver
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos
Informativo MADRE ASSUNTA
Revista Esperança
Últimas Notícias

Fale Conosco